Facções do Rio e São Paulo voltam a brigar

‘A guerra recomeçou’, diz secretário da Administração Penitenciária de SP. Questionado, secretário de Segurança do RJ diz que situação é ‘preocupante’.

O secretário da Administração Penitenciária de São Paulo, Lourival Gomes, que  “o clima de harmonia que predominava” entre as facções criminosas de São Paulo e do Rio acabou. “Agora a guerra recomeçou. Então cabe a cada estado, a cada administrador, tomar as suas providências e resolver o seu problema dentro do seu estado.”

No Rio de Janeiro, questionado sobre o fim da trégua entre as facções que atuam nos presídios, o secretário de Segurança, Roberto Sá, diz que situação é “preocupante”.

Em São Paulo, o chefe da pasta que cuida dos presídios diz que não há motivo para preocupação em relação a segurança. “Não há nenhum indício, não há nenhuma informação que nos preocupe aqui em São Paulo”, disse Gomes durante evento no Hospital Pérola Byington, na tarde de segunda-feira (17). “Nós fazemos todas as nossas movimentações de presos, para manter a ordem e a disciplina e evitar fuga, todas as semanas. Em São Paulo, pode ficar tranquilo, não há nenhum risco, nenhuma insegurança.”

De acordo com o secretário, a SAP trabalha em parceria entre Polícia Civil, Ministério Público e judiciário e conta com seis núcleos de inteligência. Perguntado sobre o motivo do racha entre as facções criminosas, Gomes respondeu: “Têm algumas informações de inteligência que nós não podemos divulgar publicamente”.

Nesta terça-feira (18), o governador Geraldo Alckmin disse que a rebelião no Hospital Penitenciário de Franco da Rocha, na Grande São Paulo, na tarde de segunda-feira (veja no vídeo acima), não tem relação com a briga entre facções que agem dentro e fora dos presídios que provocou rebeliões em outros estados, como Roraima, e levou governos como o do Rio de Janeiro a movimentar presos para evitar novos confrontos.

“Não há certamente nenhuma relação com presídios do Norte e Nordeste (a rebelião). É uma questão pontual, local, que está ainda sendo investigado, mas tudo indica que presos tomaram conhecimento que cinco destes líderes seriam transferidos de lá (de Franco da Rocha) e causou a rebelião”, disse Alckmin. Dos 55 presos que fugiram, 50 já foram recapturados.

Questionado se a transferência que será feita no presídio tem relação entre as brigas entre facções, Alckmin negou. “Nada, eles (os presos) estão extorquindo familiares de presos, então eles iriam ser transferidos. Aliás eles nem saíram da faixa da região, a maioria inclusive são pessoas com dificuldades, deficiência, enfim, são pessoas doentes”, disse o governador.

Situação é ‘preocupante’, diz secretário do RJ

18/10/2016 17h06 – Atualizado em 18/10/2016 18h41

Harmonia entre facções de SP e RJ acabou, diz secretário de São Paulo

‘A guerra recomeçou’, diz secretário da Administração Penitenciária de SP.
Questionado, secretário de Segurança do RJ diz que situação é ‘preocupante’.

Segundo o  secretário da Administração Penitenciária de São Paulo, Lourival Gomes, “o clima de harmonia que predominava” entre as facções criminosas de São Paulo e do Rio acabou. “Agora a guerra recomeçou. Então cabe a cada estado, a cada administrador, tomar as suas providências e resolver o seu problema dentro do seu estado.”

No Rio de Janeiro, questionado sobre o fim da trégua entre as facções que atuam nos presídios, o secretário de Segurança, Roberto Sá, diz que situação é “preocupante”.

Em São Paulo, o chefe da pasta que cuida dos presídios diz que não há motivo para preocupação em relação a segurança. “Não há nenhum indício, não há nenhuma informação que nos preocupe aqui em São Paulo”, disse Gomes durante evento no Hospital Pérola Byington, na tarde de segunda-feira (17). “Nós fazemos todas as nossas movimentações de presos, para manter a ordem e a disciplina e evitar fuga, todas as semanas. Em São Paulo, pode ficar tranquilo, não há nenhum risco, nenhuma insegurança.”

De acordo com o secretário, a SAP trabalha em parceria entre Polícia Civil, Ministério Público e judiciário e conta com seis núcleos de inteligência. Perguntado sobre o motivo do racha entre as facções criminosas, Gomes respondeu: “Têm algumas informações de inteligência que nós não podemos divulgar publicamente”.

Nesta terça-feira (18), o governador Geraldo Alckmin disse que a rebelião no Hospital Penitenciário de Franco da Rocha, na Grande São Paulo, na tarde de segunda-feira (veja no vídeo acima), não tem relação com a briga entre facções que agem dentro e fora dos presídios que provocou rebeliões em outros estados, como Roraima, e levou governos como o do Rio de Janeiro a movimentar presos para evitar novos confrontos.

“Não há certamente nenhuma relação com presídios do Norte e Nordeste (a rebelião). É uma questão pontual, local, que está ainda sendo investigado, mas tudo indica que presos tomaram conhecimento que cinco destes líderes seriam transferidos de lá (de Franco da Rocha) e causou a rebelião”, disse Alckmin. Dos 55 presos que fugiram, 50 já foram recapturados.

Questionado se a transferência que será feita no presídio tem relação entre as brigas entre facções, Alckmin negou. “Nada, eles (os presos) estão extorquindo familiares de presos, então eles iriam ser transferidos. Aliás eles nem saíram da faixa da região, a maioria inclusive são pessoas com dificuldades, deficiência, enfim, são pessoas doentes”, disse o governador.

Situação é ‘preocupante’, diz secretário do RJ

O fim da aliança entre facções criminosas do Rio e de São Paulo, que teria provocado tensão, rebeliões e mortes em presídios no país, é um tema que entrou no radar do novo secretário de Segurança do RJ, Roberto Sá. O G1 perguntou: “Não é preocupante que o fim dessa trégua possa trazer insegurança à população carioca?”. O secretário Sá respondeu: “Sim é preocupante, mas o nosso dever é estar atento a situação para minimizar qualquer efeito (veja no vídeo acima).

De acordo com o jornal “Extra”, a Seseg e a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) investigam a informação de que uma facção paulista e uma carioca teriam rompido um acordo de trégua entre elas e, com isso, presos paulistas teriam pedido transferência de um presídio dominado pelos traficantes cariocas temendo represálias.

“No fluxo de informações da área de inteligência, nós tomamos conhecimento dessa movimentação [de pedidos de transferência]. Mas a gente está super afinado com a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap). Qualquer informação adicional em relação a isso, vamos tomar conhecimento para tomar previdências”, disse ao G1. “Sim é preocupante, mas é nosso dever tentar minimizar os efeitos disso e a gente está muito atento”.

Em nota, a Seap disse somente que “está adotando as medidas necessárias e por questões de segurança essas informações não serão divulgadas”.

Ainda segundo a publicação do “Extra”, a facção paulista teria exclusividade na importação de armas e drogas através do Paraguai. No entanto, após a morte de um traficante, a facção carioca teria quebrado o monopólio.

Fonte: G1

Comentários do Facebook